Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Brasileiro 2008’

.

REPUBLIQUE-SE!

.

SOUVENIRS DE MADAME – O RETORNO

.

Você vai ver pelo segundo ano consecutivo mais um show de bola do time chapa-branca:

.

Jogo 1: Atlético PR 1 X 1 SPFW, 2ª rodada

Data e local: Arena da Baixada, 18/05

Juizão amigo: Djalma Beltrami

Pontinhos garfados: 1

O crime: A Brisa vencia por 1 x 0 em seus domínios, até os 35 do segundo tempo, o time reserva de Madame. Eis que o escrete de Ney Franco (que seria demitido após o empate) se lança a frente e sofre falta que Beltrami ignora. Na sequência, contra-ataque e gol das meninas.

(Onde foi que vi isso outro dia?…)

Bom, esse lance não aparece em nenhum “melhores momentos” editados pelas emissoras – e olha que procurei. Nada. Mas a busca levou-me até um blog atleticano, que também tem seus vídeos. E esse que achei me fez recordar de outro detalhe desse jogo que já havia apagado da memória: O árbitro estava tão ansioso pelo empate do “mais querido”, que já havia marcado, minutos antes do gol, um pênalti absurdo contra o time da casa. A incisão cirúrgica não se deu somente pelo fato do bandeirinha estragar a festa e lembrar ao juizão que aquele cara se atirando na área estava, além de fingindo, impedido. Coisa que Djalma Beltrami nem reparou, pois estava mais preocupado em achar uma deixa para ajudar o SPFW e ficar bonito na foto da federação. Esse lance, ao menos, vocês podem ver aqui.

A prova:

.

.

Jogo 2: SPFW 1 x 1 Coritiba, 3ª rodada

Data e local: Privadão, 25/05

Juizão amigo: Vágner Tardelli

Pontinhos garfados: 1

O crime: Foi um paranaense no almoço, outro na janta. Uma semaninha depois de garfar o Atlético em sua casa, Madame recebeu o Coritiba para uma peleja difícil. Saiu perdendo, só empatou no segundo tempo. E depois, apoiada pela alegre massa de 6 mil torcedores coladinhos um no outro, se lançou ao ataque freneticamente, para garantir a primeira vitória em casa. Não conseguiu e ainda viu Rubens Cardoso se lançar sozinho no contra-ataque contra sua meta; ao entrar na área, prestes a sacramentar a vitória coritibana, o jogador do Coxa toma um sarrafo sem perdão do zagueirão tricolor (que não consegui identificar). Um pênalti muito mais pênalti do que aquele inventado por Djalma Beltrami na semana anterior, e que o bandeira não deixou ele marcar. Confiram com seus próprios olhos e não perca a conta: já são 2 pontos a mais aí…

A prova:

.

.

Jogo 3: Baianos 1 x 3 SPFW, 12ª rodada

Data e local: Barradão, 19/07

Juizão amigo: Sérgio da Silva Carvalho

Pontinhos garfados: 3

O crime: E aí vem Sérgio da Silva Carvalho e seus bandeirinhas maravilhosos… Não tinham se passado 10 minutos de jogo ainda, no Barradão, quando o time da casa teve um gol legítimo anulado pelo bandeira, que errou, alegando que a bola cruzada na área havia saído inteira antes do cruzamento. Passam-se 2, 3 minutos até que Hugo, em posição no mínimo duvidosa, empata de cabeça. Dessa vez o bandeira, do outro lado, não teve dúvidas: correu para o meio do campo. A partir daí, o time da casa partiu para cima e abriu sua defesa para o time da covardia contra-atacar como quisesse. Mas não seria assim se saíssem perdendo no placar, como deveria ter sido, não é? Portanto, foram 3 pontos que se inverteram de mãos, e Madame agora já soma 5 pontos que surrupiados dos trouxas.

A prova:

.

.

Jogo 4: SPFW 4 x 0 Vasco, 16ª rodada

Data e local: Privadão, 03/08

Juizão amigo: Sérgio da Silva Carvalho (de novo)

Pontinhos garfados: 0

O crime: André Lima está impedido no primeiro gol, no momento do lançamento. Confira no replay. No quarto gol, Aloísio cai na área feito uma moça e o juizão marca pênalti. Mas enfim, como foi contra o fraco Vasco da Gama e o jogo acabou 4 x 0, vou dar essa de lambuja para Madame. Não vou somar os pontos dessa partida àqueles que Ela não conquistou na bola. O registro fica, no entanto.

A prova:

.

.

Jogo 5: SPFW 2 x 1 Goiás, 19ª rodada

Data e local: Privadão, 03/08

Juizão amigo: Francisco de Assis Almeida Filho

Pontinhos garfados: 2

O crime: 1 x 1, jogo duro no Privadão. E como estava difícil, o juizão me arruma uma falta frontal contra o time goiano, para surpresa e revolta do velho Baier, que ainda toma um amarelo por reclamação. Na cobrança, o suado gol de desempate estava arranjado. É mais 2 pontinhos que Madame tomou a força, e agora já são 7 pontos a mais na tabela…

A prova:

.

.

Jogo 6: Palmeiras 2 x 2 SPFW, 30ª rodada

Data e local: Palestra Itália, 19/10

Juizão amigo: Sálvio Spínola

Pontinhos garfados: 1

O crime: Essa está fresca na memória. Sandro Silva sofre clara falta no ataque do Palmeiras, quando tentava passar pela emo-zaga e arrancar para a área de Madame. Sálvio ignorou o lance, que gerou o contra-ataque do gol, após pênalti estúpido de Léo Lima. Na saída de bola, Sálvio apronta de novo: expulsa sem o menor cabimento, sob o pretexto de ” dominar a partida”, o atacante Borges e o craque Diego Souza, do Palmeiras, que teve que mudar todo seu esquema tático. Tudo isso com 6 minutos de jogo… É o oitavo ponto que foi parar indevidamente na conta do mal, esse pontinho o mais doído para nós.

A prova:

.

.

Jogo 7: SPFW 2 x 1 baianos, 31ª rodada

Data e local: Privadão, 22/10

Juizão amigo: Héber Roberto Lopes

Pontinhos garfados: 2

O crime: Os baianos saíram na frente; cederam o empate mas jogavam bem, atacando sempre com perigo. Ao final do primeiro tempo, uma bola alçada na área tem endereço certo: o atacante Rodrigão, que sobe para cabecear e colocar o rubro-negro em vantagem. Eis aparece Rodrigo (da defesa do SPFW) e dá um empurrão no jogador baiano sem nem sequer disfarçar muito. Um pênalti daqueles que não tem como ignorar, mas Héber o fez. No final do jogo, o que poderia ter sido um 1 x 2 no Privadão chuvoso virou um 2 x 1 a favor do time do establishment. Confira.

A prova:

.

.

Jogo 8: Botafogo 2 x 1 SPFW, 32ª rodada

Data e local: Engenhão, 29/10/2008

Juizão amigo: Sérgio da Silva Carvalho (pela 3ª vez)

Pontinhos garfados: 2

O crime: O mesmo juíz que havia validado, há apenas 4 dias, um gol do Fluminense contra o Palmeiras no Maracanã – quando Washington iludiu o goleiro Verde esticando a mão para tentar desviar a bola – invalidou o gol de empate do Botafogo no Engenhão, contra os nazis, após uma cobrança de falta que entrou direto. No caminho, um botafoguense ainda tira o pé do caminho para não interferir na jogada, mas o bandeira de Sérgio anula o gol, alegando impedimento.

A prova:

.

.

Nojento, nojento, nojento. Confiram vocês mesmos e fechem a conta: são 12 pontos roubados na tabela. SÃO 12 PONTOS QUE O SPFW TOMOU DE OUTRAS EQUIPES, NO PRIMEIRO E SEGUNDO TURNOS. Se esse time sofresse da mesma “imparcialidade” que o Palmeiras, por exemplo (que dá o azar de pegar bandeirinhas com olhos biônicos, capazes de perceber em um milésimo de segundo que uma bola não passou a linha por 5 cm), estaria hoje com 47 pontos, tentando se firmar na Sulamericana, atrás do Coritiba. Não há exagero algum nessa afirmação: é só assistir os vídeos e fazer as contas. SÃO 12 PONTOS GARFADOS DOS OUTROS. Por enquanto, amici…

Anúncios

Read Full Post »

.

Não sabemos ainda quanto custou o título de ontem, mas a data é tão simbólica que nenhuma outra equipe poderia tê-lo encomendado: o time da ditadura comemorou seu hexa-bambi no dia em que o Ato Institucional nº5 completou 40 anos.

.

ato-5-1968

.

Além de fechar o congresso e cassar o mandato de todos os parlamentares do Brasil, além de suspender as garantias constitucionais de todo um povo, o AI-5 patrocinou o confisco de bens de cidadãos e empresas que enriqueceram no país, ao bel-prazer da ditadura militar.

Como fizeram em 42, essa mesma gentalha. Parabéns a eles pela data tão bem homenageada.

Obrigado ao Filipe, nobre rivale, pela lembrança da data!

.

Read Full Post »

.

Todos viram o golaço, não há o que comentar. Quem quiser entender mais sobre esse título, é só rodar o mouse para baixo e ler os últimos 4 ou 5 posts. No mais, acompanhem os links à esquerda, os quais atualizarei com calma. E aguardem a atualização do Dossiê Bambi 2008.

Abaixo, pretendo me expressar de outra maneira: segue meu presente, em forma de outro áudio, para que a torcida eugênica possa comemorar à vontade.

1

.

Read Full Post »

.

1) Madame e sua caixinha de Pandora

.

Nada pode soar mais artificial no domingo de um torcedor paulistano: de manhã, vou a pé ao parque com minhas filhas e me deparo com dezenas de uniformes do stablishment, todas cobrindo os corpos de alguns alienígenas do mundo da bola. Aquele bigodinho do Habib’s infestou a pista de cooper feito margaridas nos canteiros da pista. Era uma gente celebrando o sucesso, não a vitória.

Que torcida imensa! – diria a si mesmo um turista desavisado. Mas sabemos que boa parte dessa gente, quando se vê obrigada a falar em futebol, passa 8, 9 meses por ano dizendo frases desse naipe:

“Em Perrnambuco, mesmo, eu sou Ixpót, mas aqui torço é pro São Paulo. Em Minas eu gostava do Cruzeiro!”

“Não sei porque esse exagero doentio. Se meu time ganhar ou perder, quem vai pagar minhas contas na segunda?”

“Eu não acompanho muito, mas sou são-paulina.”

“Eu tô nu pé pimálio e todu mundo toçe pu São Paulo.”

“Eu não perco meu sono com futebol, rapaz!”

“Eu não ligo pra futebol, mas meu namorado é são-paulino.”

“Ele também nunca foi no campo.”

E por aí vai…

Volto a esse assunto, porque é preciso diferenciar um torcedor disso. Eu repito: eles não vestem essa camisa por amor ao clube, ou pelo orgulho de sua história: aquilo não é uma manto, é uma metáfora. O que eles vestem é a forja do sucesso que queriam conquistar, porque, em sua mente, o sucesso é o que vale nesse mundo – e deve ser perseguido a qualquer preço.

Sair com essa camisa na rua, somente agora, é reafirmar sua diferença, sua suposta superioridade perante os outros. É declarar seu apoio à cartilha elitista daqueles que pensam que o Brasil não precisa de quem produz, muito menos de quem o construiu. Eles são modernos, são melhores, eles se bastam. Tudo se consegue com força de vontade, e quem não alcança seus objetivos é somente um pobre de espírito. Que se lamenta, reclama da arbitragem, tem inveja de seu sucesso…

É o time da auto-ajuda. Assim como quem gosta de ler não compra esse tipo de livro, quem gosta de bola não torce para esse time.

.

2) Acabou a vergonha, acabou!

..

Então não teve pênalti a favor do Verdão, nem a favor do Fluminense? Na rodada anterior, o Flamengo, visitante, deu o azar de pegar um árbitro exemplar. Claro, na casa das marias. E nos descontos: Simon teve a mesma precisão milimétrica do bandeira que corria pelas laterais do Jardim Suspenso, contra Madame. Este, com seu talento raro e notável imparcialidade, conseguiu distinguir, em uma fração de segundos, os 5 centímetros que não ultrapassaram a linha da Borboleta, naquela cabeçada de Alex.

Queria ver o Simon não dando esse penal no Maraca, aos 47 do 2º, com 2 x 3 no placar… Porque acertar, na confortável condição em que acertou, é só obrigação. Colhão, é outra coisa.

Enquanto se dá tudo isso, só Ela cavalga incólume, em seu cavalo branco de parada. Nenhum mal toca sua armadura. Nenhum bandeirinha tem olho clínico para as mãos do imperador. Nem para o braço de Washington, contra o Palmeiras. Mas, se ele sofrer um pênalti no Privadão, esquece. É impressionante como um disfarçe simples, que seja, não se faz mais necessário: simplesmente arrancam os pontos que precisam, com desdém pelo esporte que praticam. E isso só pode ser fruto do emburrecimento do público que, como bem nos explica o Ademir, corre o risco de se transformar de torcedor em consumidor, em poucos anos. Não há mais paixão, só restou o cinismo do pensamento eugênico.

Contratempos? Só uma vez, na 1ª rodada, contra aqueles chorões do sul. Foram 3 pontos. 3 pontos.

Sei que não há justiça no futebol, mas se Deus ligar a TV domingo, quem sabe…

.

3) Confete x Crise:

.

Uma ediçãozinha especial… Porque o Verdón saiu da disputa, mas a imprença ainda tem um troféu a ser conquistado, com muitas bolinhas para lamber:

.

“A festa do hexa fica para a última rodada… “

x

Dirigente do Grêmio diz que incentivo para o Goiás pode ser válido

_____________________________________________________________________

André Dias reclama de ‘mala branca’. Ceni ironiza.

x

Procurador do STJD diz que punirá mala branca

_____________________________________________________________________

Marco Aurélio: “O Hernanes é o Kaká que joga no Brasil”

x

Conselheiro gremista é preso por tiroteio

_____________________________________________________________________

Fluminense aposta que São Paulo será campeão

x

Dirigentes do Internacional reagem à provocação de diretor gremista

.

Read Full Post »

.

emburrescendo

.

Milton Neves

Apenas 10 mil pessoas acompanharam o jogo do Palmeiras diante do Ipatinga. O Verdão briga pela Libertadores, assim como Flamengo e Cruzeiro, que fizeram um jogo fantástico no Mineirão lotado. Se entusiasmo da torcida valesse ponto, o Alviverde paulista ficaria fora da competição internacional.

.

Mauro Beting

E não pode continuar a persguição e a suspeição ao apito. Se não acreditarmos na arbitragem, melhor desacreditarmos o futebol. Vamos deixar os árbitros errarem em paz.

.

juquinha 1

O vitória sem maiores responsabilidades e o Palmeiras por uma vaga na Libertadores, sonho de sua parceira, a Traffic.

No vitória joga Marquinhos, que é da Traffic e está prometido ao Palmeiras para o ano que vem.

Você acha que Marquinhos vai fazer um gol que tira o Palmeiras, a Traffic e ele mesmo da Libertadores?

.

juquinha 2

Marquinhos, do Vitória, é, também, da Traffic.

Domingo que vem Marquinhos enfrentará o Palmeiras, parceiro da Traffic.

Fará Marquinhos um gol no Palmeiras que pode significar a saída de ambos, dele e do Palmeiras, da Libertadores?

.

juquinha 3

No Palestra Itália, o Palmeiras jogou o necessário. Não brilhou, mas voltou ao G4. Na verdade, nada mais interessa.

Bom futebol, agora, serviria para aumentar a chance de disputar a competição continental, entretanto não acabará com a frustração palestrina

.

Read Full Post »

.

Diretoria, jogadores e torcida promovem festa antecipada no Palestra. O titulo de fato deve vir na penúltima rodada, com o Verdão jogando fora.

Diretoria, jogadores e torcida promovem festa antecipada no Palestra. O título de fato deve vir na penúltima rodada, com o Verdão jogando fora.

.
da redação

Tarde de sol, pinta de feriadão, estádio tomado por uma torcida em estado de graça (cantando do primeiro ao último minuto), time passeando em campo… Às vésperas de fechar seus portões para iniciar um grande salto no tempo, o Palestra Itália e a lembrança dessa tarde de domingo irão deixar saudades na memória do palmeirense. O quinto título nacional do Verdão (que já era previsível há duas rodadas), praticamente foi ratificado hoje, depois de um 2 x 0 no fraco e rebaixado Ipatinga.

Segundo projeções do datacruzis, o time de Perdizes tem agora 95% de chance de abocanhar o troféu oferecido pela CBF, bastando, para tanto, conquistar 2 pontos em 2 rodadas (o time segue 5 pontos a frente do Grêmio, o vice-líder).

A torcida era o retrato do sonho de Ícaro vivido pela Academia esse ano: já pelas 14:00, duas horas antes do confronto que praticamente traria a segunda taça do ano para o Jardim Suspenso, tanto as arquibancadas quanto as cadeiras especiais do Parque Antárctica já estavam completamente tomadas por uma massa apaixonada que não parava um segundo sequer de entoar gritos de incentivo para cada jogador do elenco.

Quem não conseguia esconder o clima “verde” de otimismo era o vice-presidente de futebol do Palmeiras, Gilberto Cipullo. Caminhando calmamente no fosso do gramado, perto do vestiário do Palmeiras, enquanto acenava para o público, o cartola era a imagem da alegria e do sentimento de dever cumprido:

Quando assumimos o Palmeiras, a situação era caótica e a moral do elenco estava em baixa. Não cabe agora enumerar os motivos ou apontar culpados, mas o torcedor se lembra do ar pesado que se respirava dentro do clube, e isso prejudica qualquer comissão técnica, por mais competente que ela seja.”, discursou Cipullo, numa clara alfinetada no grupo que antecedeu Della Mônica. “Mas, com uma gestão profissional, voltada para o futuro do Palmeiras, com ambição e responsabilidade, tudo o que aconteceu de ruim faz parte do passado“, disse o dirigente, evitando pronunciar o nome de Mustafá Contursi, antigo manda-chuva do Palestra Itália. “Agora teremos eleições em janeiro e esperamos que, com o apoio do sócio-torcedor, possamos eleger Belluzzo e dar sequência a esse projeto grandioso iniciado em 2008“, completou.

Outro palmeirense que não conseguia conter o orgulho pelo sucesso de seu trabalho em 2008 era o ex-jogador Toninho Cecílio. Após confraternizar-se com o elenco no vestiário, no final da preleção, o gerente de futebol do Palmeiras fez questão de apontar a marca de seu empenho nesse sucesso: “Cobramos, exigimos, mostramos à diretoria e aos nossos parceiros que o Palmeiras não vingaria no Brasileiro se não conseguisse substituir com qualidade as peças que havíamos perdido após o Paulistão. Conseguimos, nossa insistência rendeu os frutos esperados; chegamos a um consenso e todos enxergaram a necessidade de repor, sem demora, as perdas que sofremos, de Valdívia e Henrique para o mercado europeu. Creio que, sem isso, não teríamos chegado“, sentencia Toninho: “no futebol de hoje, objetividade é meio caminho para o sucesso. De nada adiantaria contratarmos 10 ‘promessas’ e não trazer jogadores de peso para manter esse grupo forte. Parte da torcida criticou os gastos elevados dessas contratações, mas hoje todos estão aí comemorando, enchendo a casa, porque entendem que valeu o investimento.

.

O segredo do êxito: foco no futebol e harmonia no clube

.

Dois fatores ilustram perfeitamente o quadro que compõe o sucesso alviverde em 2008:

Em primeiro lugar, o Muda Palmeiras e sua aliança com Afonso Della Mônica. Essa união histórica (que afastou o grupo de Mustafá do poder depois de quase 20 anos) trouxe ao Verdão um ambiente raro nas últimas décadas, exceção feita ao período de co-gestão com a Parmalat: paz dentro do clube.

Essa tranquilidade política, quase “inédita” no clube de colônia italiana e sangue quente, propiciou uma realidade onde a diretoria pôde, finalmente, se preocupar com seu time de futebol em primeiro lugar. Não se trata apenas de contratar uma comissão técnica de ponta, ou jogadores caros: o que se viu foi o Palmeiras preocupado com o Palmeiras, apenas. Os cartolas, atentos à precariedade jurídica que reinava no clube, não foram presa fácil do STJD, como em outras épocas; escalas de árbitros “duvidosas” foram prontamente questionadas junto à grande mídia, a cada rodada desse Brasileiro, gerando como resultado apitos mais cuidadosos do que de costume, quando se trata do time de Perdizes… Acredita-se que essa “segurança” trazida pelos novos cardeais do Parque gerou um segundo fator determinante para o sucesso do Palestra:

nunca se viu um Luxemburgo tão manso como nesse segundo semestre. O treinador, taxado de vaidoso e arrogante por boa parte dos torcedores do Brasil (e até mesmo por alguns setores da imprensa), praticamente não apareceu para gerar polêmica. Conta-se nos dedos de uma mão as entrevistas de Luxemburgo, desde agosto. À boca pequena, antigos conselheiros do Palmeiras confessam que nunca viram Luxemburgo tão focado no título quanto agora – e reconhecem, mesmo torcendo o nariz, que ele foi fundamental para a conquista do penta. A comissão de arbitragem, eterno alvo das flechas venenosas do “Madureira”, também agradece a folga dada pelo treinador durante o certame.

.

Marcos, ídolo da torcida e inspiração do elenco

.

Mas a imagem que fica para o palestrino apaixonado é mesmo a de Marcos, defendendo um pênalti aos 44 minutos do segundo tempo e fazendo a galera comemorar “mais um gol” enquanto esperava o apito final para soltar o coro de “pentacampeão”!

Assim que o juizão ergueu o braço, toda a comissão se atirou em cima de Marcos, que recebeu o abraço coletivo transtornado, entre lágrimas compulsivas:

Tenho que dedicar esse título a todo elenco do Palmeiras“, balbuciou emocionado, para desabafar em seguida, com a espontaneidade que já lhe rendeu fama: “Não quero saber se falta 1 ou 2 pontos: esse time é campeão, porra!!!” – e completou: “Agora sou duas vezes penta!

Com a mesma humildade do comandante verde (Luxa correu para os vestiários aos 42 do segundo, sem dar declarações, enquanto era ovacionado pela torcida), Marcos ainda fez questão de rejeitar novamente a alcunha de “santo”:

É um carinho da torcida, a gente se enche de orgulho, claro. Mas a verdade é que, sem a raça e a vontade de ganhar de toda essa equipe, o ‘São Marcos’ deixaria de cumprir suas promessas“, completou, rindo, o capitão palmeirense.

Marcão, aliás, é um dos mais ansiosos pelo fim do campeonato. Assim que acabar a última rodada, quando o Palmeiras enfrenta o Botafogo em casa (provavelmente no jogo das faixas), o Parque Antarctica deixará de sediar jogos por um ano (pelo menos) para dar início às obras da Arena Palestra Itália. Adiretoria do clube já havia prometido ao goleirão em agosto (quando a pedra fundamental foi lançada com pompa e circustância) que, no jogo de inauguração da Arena, seu busto já estará figurando ao lado da escultura de Divino.

.

Read Full Post »

.

7 x 1

.

.

0 x 1

.

.

2 x 1

.

.

1 x 0

.

.

HOJE:

.

.

Read Full Post »

Older Posts »

%d blogueiros gostam disto: